Ilha de Páscoa - Chile

Ilha de pascoa

Ilha de Páscoa - Chile

Esta ilha chilena encontra-se no oceano Pacífico e é a ilha mais distante de terra que existe em todo o planeta. Localiza-se a 3600 km a oeste do território continental. Administrada pela província de Valparaíso, tem pouco mais de 2000 habitantes - na sua maioria polinésios - e uma área que ronda os 63 km2. Podem encontrar-se esculturas colossais cuja origem permanece desconhecida e que constituem grandes atracções turísticas.

Ilha de Páscoa Rapa NuiAs origens

Tem havido muita controvérsia e confusão quanto às origens da ilha de Páscoa. Thor Heyerdahl propôs que as pessoas que construíram as estátuas os Rapa Nui eram de ascendência peruana, devido a uma semelhança entre  as estatuas e a cantaria Inca. Alguns sugeriram que a Ilha de Páscoa é o remanescente de um continente perdido, ou o resultado de uma influência extra-terrestre. Evidências arqueológicas, no entanto, indicam a descoberta da ilha por polinésios, em cerca de 400 dC, segundo a lenda, por Hotu Matua. Após a sua chegada, uma impressionante e enigmática cultura começou a se desenvolver. Além das estátuas, os habitantes da ilha possuíam a linguagem Rongorongo a única linguagem escrita na Oceania.

 

A descoberta

“Terra à vista!” – gritou o vigia da gávea da galeota holandesa De Afrikaanske Galei, chamando a atenção do comandante comodoro Jacob Roggeveen. Aproximavam-se de uma ilha que não constava no mapa. Eram seis horas da tarde, no domingo de páscoa de 1722. Assim descoberta, a Ilha de Páscoa é o lugar habitado mais isolado do mundo: são 118 km² de terra no sudoeste do Oceano Pacífico, 1.600 km a leste da Ilha de Pitcairn e 3.700 km a oeste do Chile. No seu diário de bordo, Roggeven deu conta pela primeira vez ao mundo ocidental dos seus nativos polinésios, descendentes das Ilhas Marquesas que para ali migraram antes do ano 400, e também das gigantescas esculturas de pedra encontradas pelas encostas de toda a ilha.

Ilha de Páscoa - EstauasEstátuas da Ilha de Páscoa

Os 887 “Moais” da ilha, assim chamados em Rapa Nui, a lingua nativa, foram esculpidos entre os séculos X e XVI em lava porosa, nalguns casos retirada a quilómetros de distância da base de vulcões extintos e dispostos em diversos santuários, que têm em média 5 figuras. A maior delas, Paro, tem 22 metros e encontra-se inacabada, tal como quase metade das estátuas, em posição horizontal, nas pedreiras da ilha. Uma vez terminada, cada figura era movida para o seu lugar, sendo rebocada num trenó feito com troncos de árvore ou sobre pedras redondas. Finalmente, a imensa figura tinha de ser levantada e colocada numa plataforma elevada. Muitas tinham originalmente uma cobertura de pedra avermelhada sobre a cabeça e que, apesar do seu peso descomunal, era, de alguma forma, içada e ali disposta por várias equipas de homens bem organizados.

A Ilha Ilha de Páscoa - Mapa

A população da Ilha de Páscoa atingiu o seu pico com 10.000 habitantes, ultrapassando as capacidades do ecossistema da pequena ilha. Os recursos tornaram-se escassos, e as florestas foram destruídas e ficando a ilha sem condições para a agricultura. A este respeito, a Ilha de Páscoa se tornou, para muitos, uma metáfora para a catástrofe ecológica.


Posteriormente, uma próspera e avançada ordem social começou a declinar uma sangrenta guerra civil e, evidentemente, canibalismo. Eventualmente, todos os Moai (Estatuas) que estavam de pé ao longo da costa foram mandados abaixo pelos próprios habitantes da ilha. Todas as estátuas agora erigidas em torno da ilha são o resultado dos recentes esforços arqueológicos.

Ilha de Páscoa - estatuasContactos com os ocidentais provocaram uma desastrosa fatalidade para a população insular, que, através da escravatura e da doença, diminuíram para aproximadamente 110 até a virada do século. Na sequência da anexação pelo Chile, em 1888, a população subiu para mais de 2.000, com outros rapanui vivendo no Chile, Tahiti e na América do Norte. Apesar de uma crescente presença chilena, a identidade da ilha polinésia  ainda é bastante forte.

Ilha de Páscoa hoje, continua a ser um dos mais exclusivos locais que você jamais irá visitar;  apresentando um fascinante museu a céu aberto, mas infelizmente perdemos, a cultura. Os rapanuis são o povo mais amigável que você algum dia ira coinhecer, e a paisagem é verdadeiramente espantosa, com as suas crateras vulcânicas, formações de lava, praias, água azul brilhante, e sítios arqueológicos